Por que ter muitas referências e inspirações te atrapalha – ao invés de te ajudar

Tempo de leitura: 11 minutos

Você tem milhares de referências e inspirações de looks do dia?

Além de ter inúmeras revistas de moda…

Você não sai sem colocar uma pesquisa rápida no Google para verificar looks por ocasião? Por exemplo: look – churrasco?

Tenho razões para te explicar por que esse tipo atitude só te confunde ainda mais ao invés de te ajudar!

Nesse artigo você vai:
1. Entender por que ter referências e inspirações demais te paralisa
2. Descobrir se você esta “viciada (o)” em receber informações, referências e inpirações
3. Como resolver isso e começar a usar as referências e inspirações de uma maneira prática

O assunto acumular referências, inspirações e informações, seja em formato de textos ou de fotos sempre foi um vício pra mim. Minha vida inteira eu fui acumuladora… Um pouco acumuladora de coisas também (assunto para outro post), mas acumuladora de informação e referências mesmo. Sempre fui muito estudiosa e curiosa desde pequena e muito estimulada a ser assim pelos meus avós, o que potencializava o hábito, enfim… Talvez você seja assim também, né? Pode confessar!

Acontece que antes, tinha espaço limitado de certa forma, estante de livros e revistas, por exemplo. Agora, com a internet a possibilidade de acumular essas referências quintuplicou (se é que não multiplicou por mais vezes ainda…).

Eu não fazia ideia do quanto deixar de ser acumuladora de informações e de referências faria diferença pro meu desempenho durante o dia a dia. Principalmente como Consultora de Imagem e Estilo Pessoal e empreendedora criativa que sou.

Eu demorei um bucado pra entender isso, mas depois que você começa a ter que dar conta de tanta informação e aplica-las da melhor maneira. Principalmente para trazer o melhor para cada cliente, acaba não tendo escolha.

Aos poucos e com algumas técnicas eu consegui escolher melhor sobre quais tipos de informações eu traria para dentro da minha cabecinha. A virada aconteceu mesmo no meio de 2015, eu tive crises de ansiedade que me fizeram parar para avaliar vários setores da minha vida e um deles foi esse.

Eu voltei a estudar e percebi que não daria conta de tanta informação acumulada e que esse tanto de informação estava bloqueando mais do que ajudando.

Pode não parecer nada demais e você simplesmente se aceita acumulador, mas esse mundo de informações e inspirações bloqueia muuuuito do nosso potencial. E aqui nesse post vou te ajudar a iniciar esse processo de mudança na sua vida.

Aqui você pode conhecer mais do meu trabalho de Consultoria e por que ele é sobre propósito e comunicação através do vestir do que sobre moda.  E por que escolher as inspirações certas para os meus clientes faz tanta diferença!

O paradoxo da escolha

A definição básica do paradoxo da escolha é: o fato de ter opções demais faz com que você paralise diante de todas elas e não sinta mais liberdade para escolher.

O autor do livro “O paradoxo da Escolha”, Barry Schwartz, afirma que as nossas possibilidade aumentaram de uma forma tão imensa que ele não consegue passar mais o mesmo número de exercícios que passava para os seus alunos, porque hoje eles são sobrecarregados com decisões.

Além disso, no TED com o mesmo título: O Paradoxo da Escolha, Shwartz cita uma situação simples do cotidiano, acompanhar o jogo de futebol do filho, como uma atividade que se tornou complexa pelo simples fato de ternos um celular no bolso, que envia milhões de estímulos e faz com que você tenha que decidir não ver ou ver ou continuar acompanhando o jogo.

O TED do Schwartz:

A validação na loja de chá

Foi realizado um experimento em uma loja de chá na Inglaterra.

Essa loja tinha milhares de possibilidades de sabores de chá, ocorre que os donos perceberam que não conseguiam contratar consultores de venda que dessem conta de memorizar a quantidade de sabores e realizar boas vendas.

Foi então que dividiram a loja com um muro. Num dos lados colocaram uma barraquinha com 5 sabores de chá. E num dos lados deixaram a parede repleta de sabores.
O lado da loja com menos sabores vendeu mais.

Além do consultor de vendas conseguir fazer uma venda mais acertada e confiante o comprador tinha uma gama limitada de escolhas, enquanto o comprador do lado com as milhares de possibilidades era colocado em dúvida o tempo todo, porque além da quantidade de informações ele era confrontado com a dúvida que sempre pesa diante de muitas opções:

“Será que a opção que eu não levei não era melhor?”

Isso mesmo, além de muitas informações confundirem o cérebro gera o sentimento de insegurança e a sensação de que a gente está deixando algo melhor para trás.

Você pode estar sofrendo de F.O.M.O.

A sigla F.O.M.O quer dizer Fear Off Missing Out. Em tradução livre é medo de perder algo, de estar por fora.

Não é um mal do século, é uma tendência social que foi acentuada com o advento da interent que nos faz ficar on line 24/07 na esperança de não perder informações ou de correr o risco de nossos amigos e conhecidos terem uma vida mais legal e interessante que a nossa.

Num artigo de 2012 publicado no New York Times, Sherry Turkle, professora do MIT, escreveu sobre as vantagens incomensuráveis da introdução das mídias sociais

“Ver posts de meus amigos espalhados pelo país me faz sentir conectada a eles. Notícias e fotos de passeios de bicicleta, concertos, jantares e noites na cidade apreciados por pessoas de meu círculo social são fontes incalculáveis de informação informal sobre o que devo fazer na cidade.”

Mas existe o lado obscuro

Esta mesma pode se tornar uma maldição, incentivando a ansiedade e sentimentos de não pertencimento. Segundo Sherry

“às vezes você não tem tempo para seus amigos, exceto se eles estiverem online”.

E, enquanto passamos por fotos e atualizações da nossa timeline, o que se instala em nossa mente é o medo do arrependimento de que tomamos a decisão errada quanto ao uso de nosso tempo e que tá todo mundo aproveitando melhor do que você.

Ahá mesmo sentimento que ocorre quando você tem muitas opções!

O que o F5 faz com você

Graças ao “tempo real”, ao F5 e a velocidade do 4G que aumentou, informações são jogadas em nossos feeds. Acontece mais ou menos assim:

  • 50 pessoas estão fazendo X;
  • outras 73 estão fazendo aquilo;
  • e de que ainda 37 outras estão planejando uma atividade diferente;
  • além do perfil de tendências de moda. Bombardeando sua timeline com a última moda do momento que 1.000 pessoas estão usando e você ainda não.

Então qual será a melhor decisão para nós em meio a esta sobrecarga de opções?

Esta possibilidade instantânea de descobrir tudo o que estamos perdendo agrava ainda mais a ansiedade e o FOMO, como falei já senti na pele isso. Passei por um quadro de ansiedade que foi ainda mais agravado pelo fato de eu precisar viver on line. Era de e-mail à redes sociais.

Os números do F.O.M.O

A JWT fez uma pesquisa sobre o tema, foi em 2012, mas eu acredito que ainda esteja bem atual!

Eles constataram que:
70% da geração chamada “milênio” – ou Y (nascidos a partir de 1980 –  relatou que se sente ligada a esta tendência e já sofreu do fenômeno em algum grau (eu, no caso).

52% disse que é fácil se sentir por fora no Facebook, já que a velocidade das informações tem tomado uma velocidade rápida demais.

43% afirmou que as mídias sociais amplificaram o F.O.M.O, que eles nem sabiam que tinha…

 

Aqui eu vou te dar 2 dicas simples para lidar com o excesso de inspirações

É importante que você realmente siga essas dicas para ver os resultados.

Para conquistar seus primeiros objetivos. Por mais que de início você duvide que não vai conseguir.

Garanto que vale a pena, já testei!

Minha primeira dica:

Pare de colecionar referências e inpsirações durante 21 dias.

Retire do seu celular todas as mídias sociais que te prendem a atenção e fazem com que você sinta-se obrigada, de certa forma, a curtir ou guardar alguma inspiração.

No próximo compromisso que tiver, tente pensar numa roupa pra ir que te faça feliz. Esse é o objetivo da escolha, fazer você feliz. Nada de digitar no Google “look para ir ao churrasco”, por exemplo! Exercite com as referências que você já tem no seu guarda-roupa que já podem ser muitas também.

Faça isso por pelo menos 21 dias.

Algumas pessoas defendem que você precisa de 21 dias repetindo a mesma tarefa para que ela se torne um hábito. Outras pessoas dizem que precisa ser 66. Eu acredito que se você conseguir por 21 vai querer manter por 66 dias 

Boa sorte, estou torcendo por você! E aconteceu isso comigo, acabei fazendo isso até por mais de 66 dias. Bastou decidir fazer um detox de inspiração e de colecionar fotos de looks.

Benefícios:

Fazer isso vai te ajudar a se conectar com o seu sentimento em relação ao que você escolhe.

Além disso, tira uma pressão imensa dos ombros de ter que comprar alguma peça pra copiar o tal look, ou de chegar no target que você mesma colocou que nem deveria ser sua referência muitas vezes.

Segunda dica:

Avalie as fotos e referências que você já colecionou.
Aqui vai O DESAFIO:
Faça uma pasta com apenas 5 fotos, ou 5 referências que verdadeiramente fazem seu coração bater mais forte.

Eu sei, diante de tantas opções apenas 5. Sim, e tem que ser meio que no susto mesmo. Dê preferência para fotos que você consegue colocar em prática já, sem precisar colocar nada mais no seu guarda-roupa. Lembre-se que as fotos são inspirações e devem seguir de guia e não de “tem que ser igualzinho senão não funciona”.

Acredite funciona! Por exemplo, pegou uma foto que tem uma blusinha verde e uma saia cinza, mas você tem peças em cores invertidas, a saia verde e a blusa cinza, faça a combinação mesmo assim!

Tem que ter uma jaqueta jeans para compor o look que você achou demais e não tem a jaqueta, troque por uma camisa jeans aberta.

Gostou dos cortes da peça da foto? Do caimento? E sabe que tem peças que “caem” no seu corpo do mesmo jeito, tente assim.

Aqui é pra ser divertido e não impositivo. \o/ ufa!

Por que uma Consultoria de Estilo pode te ajudar com isso.

Um dos exercícios que passo para os meus clientes é exatamente esse das 5 fotos. Alguns tem muita dificuldade, outros nem tanto, mas quando passo o número 5 todos, mesmo os que tem facilidade exclamam!

Para saber como a minha consultoria te ajuda a desmistificar e a como colocar em prática suas inspirações e referências clique aqui e agende uma sessão grátis comigo. 

Essas são minhas dicas iniciais! Para você dar os primeiros passos pra avaliar se precisa mesmo de tantas referências e inspirações.

Meu objetivo foi te incentivar a sentir mais leveza e não pressão com esse tanto de informações que recebe todos os dias.

Espero que as dicas tenham servido para outros assuntos da sua vida, além de peças de vestir.

Me conta aqui nos comentários quais as suas dificuldades com as referências e inspirações pra eu te ajudar com mais dicas!
Beijos,
Vivi

2 Comentários


  1. Muito bom, Vivi. E cheio de referências. Parabéns! 😘


    1. Oi Cibele! Verdade! 🙂
      falei sobre referências e acabei dando algumas tb! 🙂

Comentários encerrados.